terça-feira, setembro 11, 2012

Sobre o cancelamento da RTP2

Há uns tempos descobri o programa Endereço Desconhecio, na RTP2. O programa, ainda que apresentado por um totó de 40 anos que acha que é mais novo e anda sempre de calções e com uns lenços estranhos e que, embora tenha pesquisado, não sabe fazer as perguntas certas aos habitantes ou guias dos locais que visita, acaba por ser interessante. O país explorado na segunda temporada do programa foi o Brasil. Semana após semana fui descobrindo Rio Grande do Sul, Maranhão, Mato Grosso, Amazónia, Bahia, Minas Gerais, Ceará, Santa Catarina, etc. etc. Não acompanhei todos os programas e por isso não tinha uma ideia certa de há quanto tempo estaria no ar.

Este fim de semana, no final do programa, o apresentador - Tiago Salazar - anunciou que o próximo programa seria o último da sua viagem de 13 semanas pelo Brasil. O meu pensamento naquele momento foi "ei, que bom, o próximo episódio é sobre o Rio de Janeir... 13 SEMANAS?!?".

Basicamente o rapaz estava no Brasil, acompanhado por um operador de câmara, operador de som, e todos os outros profissionais envolvidos num programa deste género há mais de 3 meses. Três meses esses que ele esteve lá com o nosso dinheirinho, o meu, o vosso, o do Estado. E, numa pesquisa posterior, descobri que na temporada anterior já tinham viajado por Malta, e uma série de países da Europa de Leste.

E eu até gosto do programa, que gosto, mas numa altura em que me tiram 7% do ordenado gostava que esse dinheiro fosse usado para fins mais importantes do que mandar um pseudo-hippie-hipster-espiritual a viajar às minhas custas. E se for para mandar alguém, por favor escolham o Gonçalo Cadilhe. O dinheiro perco-o na mesma, mas pelo menos é por causas melhores. Ou mais interessantes. Ou com mais pinta.

5 comentários:

Mak, o Mau disse...

Não sei qual é a % do programa financiado pela RTP, mas programas de viagens quando são feitos por malta bem relacionada (e este rapaz, entre outras coisas, pelo que sei já foi responsável pela Blue Travel) normalmente são também bancados/apoiados pelo turismo dos locais de destino, etc.

Aquilo tem uma produtora por detrás, mas como nunca vi não sei bem que tipo de equipa está ligada à coisa.

A minha cena é sempre, programas de viagens ou são mesmo fora do comum ou então é só mais um gajo/a a dar-nos a sua perspectiva romântica/divertida/simpática do mundo. E aí ou gostas do prato ou nem sequer entras na loja.

kiss me disse...

Confesso que não me informei. Mas já é um passatempo meu, resmungar com coisas que não sei se são bem assim...

Miss Pipeta disse...

Eu acho que "bancar" (até porque foi no Brasil) três tipos durante três meses de viagens é capaz de nem ser muito caro quando comparado com alguns orçaments milionários de algumas produções feitas em Lisboa mesmo, que envolvem muito mais pessoas e muito mais recursos. Digo eu... que também só mando postas de pescada :)

Tolan disse...

O programa era desastroso. Eu gravei um sobre São Paulo, para ver se me estava a escapar alguma coisa e aquilo parecia um boletim do INE sobre a cidade, o tipo completamente acéfalo... enfim...

Mak, o Mau disse...

Não te preocupes, eu também falo por suposições e vagas noções da realidade. Se não gostasse mais de ser parvo já tinha ido para político...