sexta-feira, setembro 28, 2012

Acordo Ortográfico

Este blogue vai passar oficialmente a ser escrito segundo as regras do novo (ok, ele é de 1990...) Acordo Ortográfico. Já não era sem tempo!

Se na empresa já escrevo assim há mais de um ano, não sei por que raio continuei a escrever "à antiga" por aqui. É aquela minha ligação às coisas que sempre estiveram comigo, como aquelas calças de ganga que já não me servem mas que não dou a ninguém porque ainda se pode vir a dar o milagre de voltarem a servir ou aquela camisa que já não uso há mais de 5 anos mas por algum motivo guardo com medo que volte a estar na moda ou aquela caixa de bombons onde guardava os brincos que saíam nas batatas fritas matutano. 
Portanto, todos os "p" e "c" que não sejam pronunciados vão desaparecer deste estaminé. E não me venham cá dizer que o Acordo é mau e feio e come criancinhas, porque há uns anos escrevia-se pharmácia, aquêle e êste (entre outras coisas) e ninguém até agora deu por falta dessas leyras e acentos, certo? Certo!

7 comentários:

Simplesmente... Sophia disse...

Sinto muito, não me parece que o AO coma criancinhas e meta medo. Não! O que me parece é que não acompanha a forma como nós, portugueses, falamos. Tirar um p ou um c, entre outras modificações, faz com que eu leia as palavras e as pronuncie de forma diferente. O problema do novo AO, não tem a ver com o facto natural de demorarmos a aceitar as mudanças (isso também, mas não só). O problema do novo AO é que foi mais pensado e adequado a outros países onde se fala português, do que a Portugal, em si.
Gosto imenso de vir ao teu blog e sinto empatia com a forma como escreves; continuarei a vir, independentemente usares ou não o AO, até porque não é possível remar contra a maré. E daqui a umas gerações já ninguém se recordará da forma como hoje ainda escrevemos. Contudo, continuo a não gostar. Muitas das novas regras não fazem qualquer sentido à luz do que aprendi na escola e da forma como leio e falo.

B. disse...

Há coisas do AO que também não fazem sentido para mim, mas vai ter que ser e também é só uma questão de hábito :)

Mak, o Mau disse...

Hmmm....sobre o AO não falo. Fico com os dedos cansados quando o começo a fazer.

Dou apenas como pequeno exemplo da parte que me chateia mais - Ingleses e americanos partilham a língua e mantêm entre eles a saudável diferença em aspectos ortográficos que são próprios de cada um dos países.

Nós, a bem da "pluralidade" da língua portuguesa, estamos a cortar não a pensar por nós, mas pelos outros à nossa volta e por aí em diante.

Fora isso, profissionalmente também o faço quando necessário, mas prefiro manter-me na orla da floresta enquanto tal for possível.

Anónimo disse...

Simplesmente... Sophia, diga-me lá uma palavra que se pronuncie de forma diferente que até fiquei curiosa :)

GirlOnSmile disse...

Os meus amigos queixam-se que não se conseguem habituar ao novo acordo.Qual é a dificuldade mesmo?O que não se lê,não se escreve e pronto.

alpha L disse...

Sou contra o acordo ortográfico...
Se fosse desse tempo ainda escreveria farmácia com ph...
(http://alpha-lady.blogspot.pt/)

Baby Q disse...

Custa-me tanto usar o "novo" AO!por mim ainda escrevia "pharmacia"...