quarta-feira, fevereiro 10, 2010

A conversa até começou bem

Mas depois ele disse "fostes". E "adormecestes". E "vistes". E "fizestes". E "sentis-te". E "concerteza".

E custa-me. Mas nestas coisas sou uma snob.

(e só Deus sabe o esforço que eu faço para perdoar os *houveram)

52 comentários:

Miss Strawberry disse...

Como eu te compreendo! Também sou assim!

Di disse...

Credo. Não o corrigiste? Eu sei que é horrivel mas não consigo ficar indiferente quando alguém diz esses disparates. Uma vez ainda se admite...

Beijo*

Sadeek disse...

Há uma anedota gira (será mesmo anedota?!) em que depois dessas barbaridades se diz "cala-te e chu#$", não há? HAHAHAHA

Isto é preciso é jogo de cintura querida... ;)

BEIJOOOOOOOOOOOOO

au revoir Camille. disse...

haha fizeste bem :D

Melga disse...

Dizias-lhe tu: "porque no te callas!"
Bjo*

Kelle disse...

Espectacular este post! Tenho vindo a debater-te com esse problema do "fostes" e "fizestes" e por aí fora. E o pior é que corrijo as pessoas que falam mal cheia de boa vontade, e ainda gozam comigo e quando falam acentuam o "fizestES". Irritante, muito!!

kiss me disse...

Aqui há uns tempos disse a um amigo que há duas horas, há muito/pouco tempo etc. etc. etc. era sempre com "h" ao que ele respondeu que eu devia estar maluca! E lá continua ele a escrever à duas horas cheio de certezas.

Dexter disse...

Só faltava o "prontes", "obrigados", e o tão famoso quanto hediondo "há-des". Hades é o deus dos Infernos pá!!!

Apple disse...

Aplausos!!tb tenho o meu quê de snob nestas coisas...mas que raio, é desorgásmico e não há volta a dar...

Prontos ;)

Rosa Cueca disse...

quando isso me aconteceu todos os pelinhos dos bracinhos se levantavam qual arrepio. era demais para mim.

angie disse...

Pois... de vez em quando a gente lá corrige, porque nos escapa... mas a melta não acha piada, não...
Eu agora moro numa terrinha onde se diz "Quando nós se encontrámos..." Todo a gente diz isso. O mais estranho é que gozam comigo porque eu sou da Guarda e digo "Onde é que vós ides"...

Dexter disse...

Ahh e aproveito para dizer que o pior que me aconteceu foi o "cuspe" em vez de "cuspo", e "estoro" em vez de "estore". Arrepiante.

kiss me disse...

Oh Dexter, mas cuspe e cuspo existem :) agora estes erros mesmo... grrr

Este Blogue precisa de um nome disse...

:D

Muito bom este post.

Beijo

Zé da Fisga disse...

Eu pensava que só nos blogs do "Sol" existiam os iluminados, os ilustres e lídimos gramaticistas defensores da língua mãe, e afinal; pasme-se mundo! Venho encontrá-los aqui em catadupa.
Bonito e profundo, pois então! Mostremos a nossa sabedoria aos ignorantes.
E que não subsistam dúvidas pois queremos ser bem-entendidos. Aqui não se fala por epigramas nem diatribes e chama-se burro a quem o é!
Sabem o que eu vos respondia se fosse dono do blog?
- Ide todos apanhar na peid@

Anónimo disse...

Grande coisa. O Dexter agradecia

Babs disse...

Mas o "sentis-te" é ele que escreve?
É "sentiste".

Esses erros dão-me cabo da cabeça também :X

Dexter: cuspe e cuspo são a mesma coisa; estão dicionarizados.

Jibóia Cega disse...

Confesso que são coisas a que também dou atenção.

gui disse...

Dizlhe que sequer ter alguma ipóteze com-tigo, tem de aprender a falar e a escrever. Esplicalhe que é como comer com a boca aberta e tirar macacos do nariz. Se ele tiver realmente enteressado, hade fazer o esforsso.

Alexandre disse...

Já lhe tinha dado um tiro psicológico!

Cathy Oh disse...

Também sou assim!
E custa-me muito depois manter qualquer tipo de contacto. :$


**

P. disse...

brrrr! até me arrepio toda!

j.seabra disse...

Não digas snob, diz descontextualizada!

Acontece que esse "ele" que te diz essas coisas fantásticas é um "ele" com obra.
E acresce que esta semana está em ponto de rebuçado!

Conheces certamente os lenços dos namorados de Vila Verde, essa bela tradição minhota que ainda vai adornando montras no centro histórico de Guimarães.

É nesses "eles" e noutras "elas" que se busca a inspiração...

...e são tão giros!

:D

Zé da Fisga disse...

E que importa ele dizer-lhe se sentis-te ou sentiste? Ela se calhar, no momento do "ai jesus" vai mesmo reparar nisso. O que lhe interessa é saber se sentiu ou não.
Alguém em seu perfeito tino neste mundo, se preocupa com a dicção na hora da queca?
Ou será que vim parar a um mundo paralelo.

Zé da Fisga disse...

E também que importa se metes-te ou meteste? Interessa-lhe, isso sim! É que não fique cá fora. Ou não é? Gente iluminada.

Anónimo disse...

c: *o primeiro é 'há'
*e o segundo acho que é existiram
a: *há 5 minutos? e onde?
*não houveram acidentes?
*então não há acidentes? eles só existem?

(tira-nos esta dúvida sff lol)

com o início do post concordo plenamente e corrijo quase sempre, depende da pessoa em causa.

Miss Kin disse...

Perfeitamente legítimo.

Ricardo disse...

Ui, então e quando começam logo com os "BonS diaS" ou "BoaS tardeS"... eSSeS demais! Chipa!

Bluebluesky disse...

E não lhe "disses-tes" nada? ;)
ehehehe :P
É uma barbaridade o que fazem à nossa língua...não há desculpa!

Miúda-Mulher disse...

Eu gostei foi do comentário do Gui LOL

kiss me disse...

Anónimo, em relação às tuas perguntas, diz-se sempre há 5 minutos, há muito/pouco tempo, sempre com "h". Quanto ao *houveram, o verbo haver, com sentido de existir não tem plural. É sempre houve muitos acidentes, havia muitas pessoas, houve dois espectáculos, etc etc etc.

Espero ter tirado a dúvida.

Poisoned Apple disse...

Penso como tu! E quando eu corrijo? Às vezes é mais forte que eu...

Sónia disse...

Tungas! Vai buscar! Adoro este blog e tb não resisto em corrigir... a maior parte das vezes levo um olhar fuzilante em cima que até fico a andar de lado!

Jaime Piedade Valente disse...

"Kiss me" talvez seja o alter ego de Edite Estrela.

Anónimo disse...

E aqui que toda a gente escreve: discrição do produto em vez de descrição. Deve ser o produto que é discreto coitado. E poder em vez de puder e não sabem o que é à, não sabem mesmo, é tudo á á á. E depois uma pessoa dá um erro a teclar e chamam à atenção. A vida é muito injusta e as pessoas têm muito pouca noção.

Kiss
Andreia

Zé da Fisga disse...

Muito bem, cara Andreia.
Aqui tudo são gramaticistas e correctores, todos sabem corrigir os erros dos outros, cada um colocando-se num pedestal de conhecimentos sempre acima do outro, todos reparam e todos vêem, ninguém olha para si.
Nenhum! Mas mesmo nenhum sem excepção, conseguiu nos comentários inseridos, fazê-lo sem erros de português.
Quando não eram ortográficos eram de sintaxe, outros de pontuação, de não concordância com o género, de completo desfasamento de género e número, de dicção e descrição, podendo ainda referir o que sistematicamente fazem, que é de raramente o sujeito ser consentâneo com o predicado.
Dada a afluência de doutores aos comentários, penso que este blogue não está perfeitamente definido no seu contexto, já que o nome de "beijo na boca" poderá induzir incorrectas interpretações: Assim, sugiro que para todos saberem as linhas com que se cosem, que passe a chamar-se, "A arte de bem falar e compreender português"
Não será tão romântico, mas será incomparavelmente mais proveitoso.

Melga disse...

A perfeição, mesmo na escrita, não é um atributo nato.
Talvez, por esse motivo e pese embora todo o cuidado linguístico de quem escreve ou profere, tenha surgido o ditado "no melhor pano cai a nódoa".
Não sou perfeito. Quem nunca pecou que atire a primeira pedra.

A conversa até começou bem, no entanto, não foramos uns incultos do caraças e os comentários que fizeramos neste e noutros blogues, a vida num tinha peta de piada.

Zé da Fisga disse...

Mau! Por este andar nem o gajo saliva nem a periquita emprenha.
Afinal, vamos lá clarificar a coisa que realmente interessa.
Quer sentis-tes ou sentistes; sentiste ou não? Quer entras-tes ou entraste; entrou ou ficou de fora? Quer à cinco minutos, ou há cinco minutos, foi só mesmo esse tempo?
Numa sincera e imparcial apreciação aos factos, aconselho vivamente a substituição da personagem; não por incorrecta dicção, isso para a função em causa até é irrelevante, mas por manifesta e provada inabilidade para a função.
Porra! Cinco minutos? Só? Isso rebenta com o ego da menos favorecida, quanto mais de uma kiss me de alto gabarito.
É por essas e por outras que se vêem por aí certas gajas boas de parar o trânsito, a carpirem num mar de lágrimas...cinco minutos!?

Itchy disse...

Também não suporto.

Maria disse...

Tambem nao perdoo..:p

Anónimo disse...

só por uns "à"s e uns "houveram" ?

ainda HÁ pouco tempo escrevi umas centenas de uns assim, e não me considero assim o fundo da cadeia alimentar literária...

deve ter sido por isso que deixaste de falar.

pensei que o que interessa é a intenção. ou a sonoridade. ou qualquer coisa mais do que umas regras morfológicas

Anónimo disse...

Obrigada, sim tiraste :)

Gisele Spilder disse...

Não sei pq algumas pessoas ainda insistem em falar assim . . .
Isso para mim é um tanto antigo.

Zé da Fisga disse...

Como não tenho sono nenhum; o Porto empatou e o Benfica ganhou; o regozijo é tanto que de tal euforia não consigo dormir.
Assim, de que me lembrei,(repare que não disse "de que me lembrei eu"), pois já seria pleonasmo e Deus me livre de incorrer em tal crime de lesa-pátria. Caíam-me em cima todos os gramaticistas desta página, e se com sorte escapasse à morte, não escaparia ao hospital.
E então que dizia eu? Raios, escapou-me, foi? Ah! Não! já me recordo! Eu sabia que com um considerável esforço de memória lá chegaria. Dizia que se não tinha sono, por que não visitar a minha bonita e gentil amiga Kiss Me?
Agora que aqui cheguei, há que alguma coisa dizer....Um aparte. Estranho; então não é que acabo de descobrir a minha veia poética. As coisa que a gente faz quando não dorme. Não importa, adiante e digamos o que aqui nos trouxe.
Muito bem, Kiss Me; muito bem mesmo. Congratulo-me que saiba. O verbo haver não aceita plural quando conjugado no sentido de existir, já que passa a impessoal e por isso só se conjuga na terceira pessoal do singular. Muito bem.
Diga também aos críticos doutorados que aqui derramaram sapiência, o que são neologismos e de que maneira se empregam. E que existem verbos com duplo particípio passado. Assim passamos todos a falar muito melhor o que nos trará felicidade por acréscimo.
Não foi por isto que todos se degladiaram? Pugnaram? Falar bom português?
Bom Domingo..e se eventualmente ele não se exprimir comme il faut, releve e não deixe de dar o seu beijinho só por isso

Anónimo disse...

Estiveste mal, houveram existe

http://www.conjuga-me.net/verbo-haver

kiss me disse...

Anónimo, não estive nada mal. Se ler bem o meu comentário eu disse, o verbo haver, "com sentido de existir" não tem plural. Com todos os outros sentidos sim, por exemplo: Já me haviam dito isso.

EL disse...

eu acho que não é uma questão de sermos snobs, mas de bom senso. de saber que esse tipo de plurais não existem. vivo no medo de os ouvir!

Charlotte disse...

É que não dá para se ter conversas em condições. Ai ai, eu cá fico bem revoltada com esta situação!

MissGarfield disse...

obrigada a todos. Próxima vez que me sentir uma snob porque me dizem "estou haver que tas mesmo gira hoje" vou saber que não estou sozinha no mundo.

' Claudjinha disse...

Nisso já somos duas, não suporto esse tipo de erros. Então os "estudas-te" quando é "estudaste"... grrr.. apetece corrigir.

ishia disse...

Ui! Que dor... destes-lhe a tampa, não?lol

Cate disse...

É horrível!!! Melhor de tudo era se tivesse dito "o comer".