terça-feira, setembro 01, 2009

Eles sobre elas

Nestas minhas últimas férias aos States aconteceu um episódio que me deixou de lágrimas no olhos. Quer dizer, nos olhos, nas bochechas, na boca, na t-shirt, nos lenços, etc. Resumindo, umas pessoas malvadas, entre as quais uma americana, um inglês e um canadense (&!R#&%!) não quiseram deixar outra pessoa fazer uma coisa e essa proibição punha (e pôs) em causa toda a minha viagem.

Ora bem, na primeira (e mais séria) crise de choro, em que tentei convencer uma dessas três pessoas a desproibir o que tinham proibido (mas as lágrimas eram verdadeiras, atenção!), estava acompanhada de um jovem de 30 e poucos anos que conhecia há 2 ou 3 dias, divertido, animado, despachado, relaxado, boa gente, que pela sua postura, pensava eu, não tinha qualquer tipo de traumas femininos ou coisa que o valha. Quando a cena acabou (depois de baba e ranho e muitos please, sir, please sem sucesso) diz-me o gajo, sem qualquer pudor, meio a brincar meio a sério, e acompanhado da mais variada linguagem vernácula (vulgo, palavrões): foda-se, as gajas são mesmo todas umas falsas. Olha a facilidade com que começaste logo ali a chorar só para ver se levavas o gajo na cantiga. Tiveste azar em apanhar um cabrão daqueles, mas só vem comprovar a teoria que as gajas são todas umas cabras. Ora, não fosse o facto de estar fragilizada com a situação, a chorar e a sangrar de um dedo (com os nervos roí-me toda) e todo o apoio que essa pessoa me tinha dado (e ainda daria) depois desses tristes episódios e tinha-lhe pregado um belo par de estalos, que a mim ninguém me chama cabra, muito menos gente que eu não conheço de lado nenhum. Mas ele disse isso sem ofensa, apenas muito desiludido por comprovar a sua própria teoria. Não adiantou dizer-lhe que chorei mesmo porque estava triste e não para demover o filho da mãe (pronto, só um bocadinho) mas não adiantou. Para ele as mulheres são cabras. E não é o único. Aliás, eles "andem" aí. Já no Algarve (sim, voltei do Alasca e fui directa para o Algarve, há que variar) os espécimes masculinos que me acompanharam disseram repetidas vezes "elas são bem piores que nós".

Ora, minha gente masculina, pronunciem-se. Vocês acham mesmo que nós somos umas cabras insensíveis, cujo único interesse é comer meninos indefesos e fazer deles gato e sapato até que encontremos brinquedo melhor?

21 comentários:

Gaja com G maiúsculo disse...

Ok não é um menino que vai começar a comentar, é UMA!!
Na minha opinião eles acham mesmo q somos todas umas cabras, dadas, insensíveis, manipuladoras, a não ser quando se apaixonam, mas como isso é difícil à partida, acho q somos na maioria das vezes, julgadas como iguais, chapa 5, muda a cor de cabelo, o corte, etc.

Meninos...pois vcs estão bem enganados, não somos tds iguais, assim como vcs não gostam de ouvir o mesmo acerca da vossa espécie.
Já sofri na pele com isso, o pensarem q eu era como a fulana xpto da China ou do prédio ao lado... e com tanto calo, qlq dia torno-me numa cabra a sério :p

Conclusão, sempre em frente!!
PS. A outra tipa tinha merecido mesmo um par de estalos ;)

Phyxsius disse...

Ui... Isto dava texto para muitas linhas. Mas abreviando, não somos todos iguais. O que se passa é que, por qualquer razão que ainda não consegui entender, alguns de nós temos a infeliz tendência de atrair apenas as "cabras". E depois generalizamos, erradamente, mas com todas as razões para o fazer.

Claro que eu (e os outros) sei que não são todas assim, mas a experiência pessoal diz-me o contrário. E isso leva a que comecem a existir cada vez menos espécimes decentes...

Nuno disse...

Siunceramente acho que vocês não são tão sinceras como nós, homens!

Talvez por serem mais confusas, não sei, mas hoje dizem uma coisa e amanhã já não sentem isso!

Acho que qualquer um de nós quando nos é oferecido o amor de uma pessoa que amamos nunca conseguimos resistir.

Tenho dito, às mulheres falta sinceridade e decisões constantes, que não mudem de sentimentos assim do nada!

Anterus Belchans disse...

Não. Vocês apenas pensam que são. Ou melhor, acham que é fixe e está na moda 'ser cabra'. Acham que é uma boa maneira de se emanciparem e de mostrar que são mulheres dos tempos modernos.

Na verdade, isso não passa apenas de uma máscara para cobrir todas as inseguranças latentes.

E tenho para mim que quanto mais 'cabra', mais insegura.

Basta ser boa pessoa. Ou pelo menos tentar. Para aplicar os bons princípios e não deixarmos que façam de nós gato sapato, não há nem de longe nem de perto, necessidade de ser uma megera.

The Love Coach disse...

Não acho que sejam cabras insensíveis.

Mas que tentam - incessantemente - manipular e domesticar os homens com quem estão ao vosso padrão de príncipe - que vos foi incutido das formas mais macabras ao longo do crescimento e desenvolvimento neuronal -, que vão esticando a corda aqui e ali, vendo onde ele cede e não cede, perceber onde podem controlar e onde não podem, tentar sempre cada vez chegar mais longe, sim.

As mulheres são estupidamente inseguras. E concordando com o Anterus, as mais rudes são normalmente as piores.

E não sei como - em algum momento do complicado processo de construção da pessoa emocional - a mulher convenceu-se que só se sente segura, só sente amada, só sente que está tudo bem quando consegue manipular o homem. Quando vai conseguindo pequenas vitórias.

E depois de ele mudar (se mudar) e se ajustar ao que elas querem, puft. Perde o interesse. Torna-se um idiota. E venha o próximo :)



Um abraço,

The Love Coach

Bluebluesky disse...

Temos os nossos "quês", mas eles também têm...

Jardim disse...

Fiquei curioso para saber o que se passou.

Mas pegando na pergunta.
Os homens são mais básicos, mais terra-a-terra. Não quer dizer que não os haja manipuladores e insensíveis, que há muitos. Mas acho que mesmo esses são o que são, assumidamente. Já as mulheres muitas vezes (não acho que sejam todas, longe disso, mas são talvez as mais marcantes) são manipuladoras e fingidas. Não olham a meios para atingir os fins. E fazem-no sem se assumirem - atenção, não são todas; além do mais, há as que são assumidamente "cabras", e contra essas, nada a dizer; são apenas opções. O chato das dissimuladas é que conseguem de facto levar os homens a fazer o que querem, porque nós caímos como uns patinhos! Depois quando mais tarde nos apercebemos do que se passou é que as passamos a apelidar de cabras.
Mas não, não são todas. Tal como não, não são todos patinhos os homens...
Se não fossemos todos diferentes qual seria a piada? Só temos de aprender a lidar uns com os outros (e não, não é nada fácil!).

Pipi disse...

Se queres saber estou cansada dessas guerrinhas dos sexos! Eu não gosto que me tratem como carneirada e por isso trato-os de igual forma como gostava de ser tratada e quem não acreditar que sou diferente azar! já nem luto pelo convencer!

pimenta disse...

De vez em quando somos mesmo cabras, mas é porque os homens merecem isso e muito mais.
Claro que há homens e homens, mas no fundo é tudo uma questão de bom senso.
O que prova que as mulheres são muito inteligentes, sensíveis e adoráveis, e que conseguem controlar as situações, agindo no momento exacto, e não deixando que as tomem por parvas, isso leve a que os homens confundam falsidade com sentido de solucionar os problemas.

Manu

pimenta disse...

De vez em quando somos mesmo cabras, mas é porque os homens merecem isso e muito mais.
Claro que há homens e homens, mas no fundo é tudo uma questão de bom senso.
O que prova que as mulheres são muito inteligentes, sensíveis e adoráveis, e que conseguem controlar as situações, agindo no momento exacto, e não deixando que as tomem por parvas, isso leve a que os homens confundam falsidade com sentido de solucionar os problemas.

Manu

Mi disse...

Amiga, às vezes somos um bocadinho... só um bocadinho! Mas nunca, jamais, em tempo algum, vamos assumir isso diante deles!! :)

P.S. - tu não és mesmo, que tu és linda! **

Ava disse...

acho que nem todos os homens pensam assim... Mas os que pensam, metade é porque sofreram por uma mulher e agora estão ressentidos, e a outra metade já o diz por cliché.
**

Stephen King disse...

Nunca generalizando, claro, a experiência tem mostrado que existem de facto muitas mulheres que são manipuladoras e dissimuladas e assentam comportamentos na ideia de que a coisa cedo ou tarde terá de correr como elas querem. Entre esses propósitos está o desejo de "mudar" outra pessoa, sempre tentando chegar a brasa à sardinha, por mais que se auto-disciplinem noutro sentido.
Mas o que me preocupa é este movimento onde o machismo de outros tempos, ridículo e preconceituoso, está a ser substituido ou equiparado por uma espécie de girl power onde a palavra de ordem é um paternalismo relativamente ao sexo masculino que em nada difere do machismo de tempo da outra senhora...
Mas, como digo, não generalizando, porque felizmente existem mulheres,pessoas, que não são assim, que se esforçam mais por entender e "empatizar" que por dominar... mas há de facto muita cabritice por aí, infelizmente, como há outras coisas menos boas.

Bom dia :)

Pedro disse...

Ser "cabra" não tem mal nenhum. Devem é assumir!!!

Lu disse...

acho que nó podemos ser umas cabras insensíveis, se quisermos. agora, dizer quem é pior do que quem... pá... é difícil. já vi de tudo. e acho (acho) que estamos quase empatados! ;)

catarina disse...

Posso dizer que passei por uma história com algumas semelhanças. Vejamos: passada no aeroporto, com muitas lágrimas à mistura, a minha viagem em risco e uma “autoridade masculina” com o meu destino nas mãos.
A verdade?
Chorei como se não houvesse amanhã, de uma maneira desmedida, até certo ponto (aos olhos de terceiros) despropositada, tal e qual uma criança pequena. E o que me levou a chorar?..acho que essencialmente chorei por vergonha (e esta parte é outra história) mas também por tristeza e ,sem querer ser dramática, desespero. Afinal, não havia mais nada a fazer.
Mas será que no meu subconsciente uma réstia de esperança despertou a cabra que, na minha opinião, todas temos dentro de nós, e parte dessas lágrimas tinham como objectivo atingir um fim?
Sinceramente?
Não sei.
Em minha defesa posso dizer que nessa noite tive o meu segundo ataque de choro e dessa vez sem nenhum fim ou motivo aparente, por isso talvez as lágrimas fossem mesmo inocentes.
Agora dizem vocês..”Não seria culpa?”.. :) .. bem, acho que não.
E se realmente as minhas lágrimas não fossem totalmente inocentes.. até que ponto isso faria de mim uma cabra?
Será que não é nosso dever dar luta com as armas que temos?
Não será bem pior resignarmo-nos ou olharmos para trás e pensar que não fizemos tudo o que estava ao nosso alcance?
Serei uma cabra se pensar assim?
☺ Acredito que não.
PS: Ficou por contar o final da minha história, o que é que vocês acham que aconteceu?

Pedro R disse...

"Vocês acham mesmo que nós somos umas cabras insensíveis, cujo único interesse é comer meninos indefesos e fazer deles gato e sapato até que encontremos brinquedo melhor?"

De todo... São umas brincalhonas inconsequentes, que gostam de ter sapatos, criar gatos, e encontrar "O menino melhor" :D

Anónimo disse...

SIM

Anónimo disse...

SIM

Caravagio disse...

Esta história cheira-me a "GRANDE TELENOVELA", mal contada, claro!

Nancy disse...

Opa, sinceramente acho que hoje em dia há mulheres tao "cabras" e "sacanas" como homens. Nós vamos para a "night" com as amigas comer gajos assim como eles também o fazem com os amigos.
Homens, habituem-se, hoje em dia não são só voces que sabem mastigar e deitar fora, nós mulheres, como boas alunas que somos, aprendemos depressa.