sexta-feira, julho 17, 2009

Homens vs. mulheres

As mulheres que me perdoem, mas depois de ouvir a gigantesca discussão que ouvi agora mesmo aqui no apartamento ao lado, só posso concluir que nós, gajas, somos mesmo muito histéricas. É que até podemos ter toda a razão do mundo, eles podem ser os maiores filhos-da-mãe que conhecemos, mas ao debitarmos insultos aos berros enquanto pedimos explicações a chorar, perdemos a razão toda. E contra mim falo, que também já fiz muitas ceninhas de caixão à cova que acabavam aos beijos e abraços passados 5 minutos, noutros tempos, noutra idade, noutra imaturidade. E, provavelmente, nessa altura estariam os mesmos vizinhos a dizer o mesmo que eu agora (embora eu ache que nunca fui assim tão barulhenta). A discussão acabou com o gajo a sair e a largar um "foda-se" num tom que gritava falta de paciência e a gaja a bater a porta estrondosamente atrás dele. Agora a miúda está a soluçar inconsolável sem parar e eu estou aqui de coração partido por ela, por saber o quanto doem estes momentos depois de uma discussão que parece o fim de uma relação, o fim do mundo. Porque na altura o que mais me doía não era o motivo da discussão, provavelmente a maior estupidez do mundo, e sim o facto de ele me ver a chorar, a gritar, infelicíssima e magoadíssima e ainda assim ir embora e deixar-me ali sozinha e em prantos. Agora, que não estou numa relação efervescente, consigo ver o lado deles, o "porra que não há paciência para tanto drama e histerismo", o "vou dar uma voltinha para arejar antes que diga alguma coisa que me arrependa e ver se a gaja se acalma um bocado". Mas, apesar da minha razão saber tudo isso, o meu coração está aqui no quarto ao lado do meu, nesta miúda a soluçar sem parar e no raio do gajo que, com ou sem razão, preferiu virar as costas à discussão, à resolução dos problemas, à companheira.

Homens e mulheres, somos mesmo diferentes...

25 comentários:

Dri disse...

:( sinto pena pela moça...e ainda mais pena por mim pk já fui histérica da mesma maneira que ela...percebo-a perfeitamente...k raiva, fazem-nos chorar e saiem... nós fazemos uma cena, choramos gritamos..queremos falar, resolver as coisas..e eles não..querem silêncio, deixarem.nos sozinhas para "refrescar as ideias"..detesto isso... tadita.. põe a bombar o Thriller para ela se alegrar lol **

Claudia disse...

Em algumas situações eu até compreendo os homens, nunca fiz cenas histéricas e se visse alguém a fazer acho que virava as costas e ía embora até que acalmassem as coisas. Um de cabeça perdida já é mau, dois então...

Sergio disse...

A verdade é que nem sempre percebemos o que faz as mulheres descontrolarem-se. Então em tempos da TPM é complicado, porque tudo parece que é a pior coisa do mundo.

Muitas das vezes parece que não nos importamos quando na realidade apenas não queremos gritar, berrar e chorar. Conversar bastava.

Mas como se diz, "Casa que não seja ralhada não anda governada"

Kikas disse...

sem dúvida! coitada. está bem que nós às vezes perdemos a cabeça mas eles também fazem cenas tristes. a compreensão é uma coisa que não existe em muitas relações, essa é que essa. vai lá e leva-lhe chocolate :D lool

Rosa Cueca disse...

Eu devia ter sido mais histérica, gritado mais, mostrado mais.

Mas sempre tive a triste mania de não conseguir ir dormir sem ter algo resolvido, sem o ver bem, sem saber que as coisas iam ficar "bem". Não importava as horas sem dormir, os sacrifícios, as lágrimas, importava o não desistir.

E de tanto não desistir, acabei por insistir em algo que só eu não via que me fazia infeliz.

O meu coração está com ela, mas já não há também paciência para a faca e alguidar, para o determinismo, para o "ou me queres agora e assim ou xau-adeus".

Eu continuo a ser das que lutam, mas investi na defesa ;)

Marta disse...

Não sou muito histérica mas admito que por vezes discuto por coisas insignificantes. Acho que essa é a maior diferença, nós criamos problemas onde eles não existem e eles evitam-nos.

Tânia disse...

eu tb tenho cenas dessas no meu prédio.normalmente é um monólogo que vai aumentando de volume.ela fala, ele nada, ela grita, ele nada ,ela berra e ele c mt calma diz qqr coisa q eu n consigo ouvir.todos nós temos os nossos dias menos bons mas por favor haja paciência.

Carla disse...

Contra mim falo, há alturas em que realmente somos mesmo "dramáticas" demais...e o resultado acaba muita das vezes em costas voltadas, onde de alguma forma cada um perdeu a razão.
Pelos vistos é assim com toda gente.

Se assim tiver de ser, nada que mais cedo ou mais tarde esteja resolvido e consumado =)

Anónimo disse...

Após ler os comentários, é impressão minha ou há um padrão de histerismo ?

Aninhas disse...

Eu não sou muito dada a histerismos... mas às vezes também depende do motivo da discussão e do porquê de ela se sentir magoada. É que nós mulheres sentimos as coisas com mais intensidade que os homens e depois olha... Desatamos a chorar, destamos aos berros, mas não é por mal...

Bjx

Assim sou eu disse...

Confesso que esse cenário melodramático não me é estranho! Quantas vezes fiz cenas dignas de um filme de Hollywood?! Ó Gott! Nem que quero recordar!
Espero que o parzinho faça as pazes, o mais breve possível!

Lakshmi disse...

É..reconheço o estilo!
Quem já não se enfiou num destes buracos???
Bem que eles mereciam face a tais comportamentos que sempre que saissem pela porta a voltarem as costas aqui à gente, lhes crescesse um pilheiro de Natal naquele cu!!!
COM BOLAS E TUDO!!!!
Dasss...que até me enervei...

Daniela e Yolanda disse...

Isso chama-se solidariedade feminina.
Eles até podem ter razao mas nos sentimos sempre o apelo de apoiar a nossa "espécie" :P
Mas as vezes em duvida que exageramos.
beijao *
Yola.

Sunrise disse...

Não há dúvidas que homens e mulheres são diferentes. Estou a ler um livro precisamente sobre isso... Kiss

Jo disse...

O mais engraçado é que, efectivamente nós reconhecemos o nosso grau de melodrama nonsense. Mas o que mais irrita, é o MONOLOGO! Geralmente, nao existem discussoes com homens. Pq eles simplesmente nao falam! É incrivel como a resposta a um "Diz-me", "Explica-me" ou "Admite!" é algo como: "Pára com isso" .. NO MAXIMO!!! Na quase-pior das hipoteses viram costas e deixam-nos a falar sozinhas (pobre coitada da vizinha...) e na pior pior viram e nunca mais voltam.
Eu, que sou mulher, continuo a achar isto tudo um grande misterio.

Estamos todas com a vizinha! "um pinheiro de natal com bolas pelo cu acima", parece-me uma excelente hipotese ;)

Allie disse...

Tenho a confessar que nunca fui assim. Sou a primeira a pôr-me a andar para acalmar antes de dizer seja o que for, porque sei que se me descontrolo, mais que chorar vou dizer coisas horriveis das quais me arrependerei para o resto da vida. Detesto dramas e choradeiras. Agora que vêm aí as férias, o meu namorado já me perguntou para onde vou fugir quando quiser acalmar... É que vamos estar a 5h de casa...

triss disse...

Há mulheres que abusam mais ou menos do histerismo, mas desconfio que a propensão para o melodrama é genético.

Poetic GIRL - BELA disse...

Eu acho que eles preferem mesmo sair para se acalmarem. São diferentes de nós. Enquanto nós ficamos a pensar sempre no mesmo e a desesperar eles saem e pensam mais friamente sobre isso. Acho que já está na natureza deles. Nisto das relações nós temos o coração mais perto da boca... bejokas

Pink Panther disse...

Eu tb estou com a tua vizinha pois eu qd me dá na gana acabo por tb ser um bocadinho histerica... acho que no fundo é verdade, todas nós somos... ainda assim qd o admitimos já estamos no caminho certo, mas é mais forte de nós e acho que qto mais nos ignoram e nos forçam ao monólogo ainda é pior... e eles fogem... ó se fogem... pk não estão para se chatear... e nós ficamos ali num pranto, chateadissimas com o facto não da discussão mas deles não nos ligarem nenhuma... é duro ser gaija... mas os homens tb têm que ser HOMENS para nos aturar... se não, não vale a pena...

Mia disse...

Tadinhaaaaa....

Anónimo disse...

tá visto.
sou homem, mas ao que leio, faço o papel da mulher quando chega a hora da discussão.
sem os histerismos, claro, que até tenho voz grossa, mas a ferver por dentro porque a cada frase que digo, a cada argumento que utilizo, a cada questão que coloco, a resposta é só silêncio. pior: é sentir que ela me ignora completamente e que estive a "falar para o boneco".
e eu, que até comecei com a razão do meu lado, é que saio irritado e com o rótulo de culpado...

sim, admito, eu gosto mesmo dela.

Evinha disse...

..ai Ritinha ..como eu percebo isto que escreveste!!! ;p ..

morningstar disse...

ora eu, portanto e tal, sou uma gaja um bocado gajo. não sou nada histérica e dou-me mal com histerias. e viro costas, às vezes, porque sou orgulhosa e prefiro sair a deixá-lo ver-me a chorar. e ele se quiser que venha atrás.

não estou a dizer que esta é a melhor estratégia (longe disso) mas se calhar ajuda um pouco a compreender o outro lado. se me gritam e acusam e pedem explicações (já aconteceu... em discussões com amigAs :-)), eu sinto-me atacada. e como não exteriorizo muito as emoções e não consigo responder (ou gritar) à altura, saio. é um mecanismo de defesa. se ficar, é para ser bombardeada e ouvir ou dizer coisas de que mais tarde ambos(as) nos vamos arrepender.

nice blog!

**
ms

Cat disse...

Bem, da última vez que me lembro de ter alguma discussão, foi ele que discutiu precisamente por eu estar calada sem discutir o assunto. O senhor enervou-se começou a debitar e voilá sem paciência eu virei-lhe costas (mas para voltar). Desde essa noite, ninguém voltou.

Cada caso é um caso, lá está.

The Love Coach disse...

Viva :)

Gostei imenso de ler este post e de ver que há tanta gente consciente das nossas diferenças.

A realidade é que homem e mulher tem naturezas profundamente diferentes, e nós não conhecemo, nem respeitamos, essas naturezas.

A mulher, por exemplo, numa situação destas - mais até que da explicação ou respostas - busca o sentir que não está sozinha, que o companheiro está ali para ela... os gritos e a perca de controle advém de sentir que ele está cada vez mais e mais distante. E assim ele afasta-se mais e mais.

Se ela não devia gritar, ele não devia ir embora. Ele devia respirar fundo, sentar-se perto dela, abraça-la (se ela assim o permitir) e dizer:

"Eu compreendo que estejas zangada comigo. Não lido muito bem com isto e eu não consigo ver as coisas como tu vês. Para mim não há aqui drama nenhum, eu gosto de Ti - posso ter errado - mas gosto de Ti. E posso neste momento não conseguir compreender-te como gostarias, ou como eu quereria... sou limitado. Mas Amo-Te e estou aqui contigo. E sei que somos mais fortes que isto. Vamos tentar conversar com calma, compreender bem o que cada um sente e resolver as coisas sim amor?"

E a mulher deveria tentar outra abordagem. Quando sente o homem fechar-se, em vez de tentar por tudo que ele a oiça, em vez de invadir o espaço dele, em vez de exigir anteção e respostas e explicações... deveria respirar fundo e dizer:

"Compreendo que se calhar não sentes as coisas como eu e que talvez não me esteja a explicar da melhor forma. E sei que quanto mais começo a tentar que me compreendas e a tentar compreender-te mais te fechas e mais te afastas. A verdade é que estou triste e magoada. E precisava de resolver isto para me sentir bem, para nos sentir bem novamente. Mas compreendo que agora já fomos um bocadinho além das marcas, que estás mais fechado e que não conseguiremos falar normalmente, nem a conversa levará a lado nenhum. E sei que te estou a afastar mais e mais com tudo o que digo. Não quero isto. Eu Amo-Te e quero-nos bem e felizes. E claro que temos que resolver as coisas que aparecerem para resolver, e claro que teremos que falar melhor sobre isto. Mas agora é melhor apenas respirarmos um pouco e acalmarmos... e depois voltamos a falar, sim?"

Estas duas abordagens respeitam a natureza da mulher e a natureza do homem. O problema é que nenhum deles toma a iniciativa correcta.

Try it ;) Transformem os que amam tratando-os continuamente com Amor* :)

Um abraço,

The Love Coach