terça-feira, julho 18, 2006

Quero pilinha!*

*este é o pensamento imediato da maioria dos rapazes (pelo menos aqueles com quem tenho falado), quando se trata de escolher o sexo dos futuros filhos. Quando ouvi isto a primeira vez ainda pensei "ei, que machista!", mas a verdade é que ser pai/mãe de uma rapariga, hoje em dia, é muito mais preocupante. Hoje entra-se numa disco e dá-se logo de caras com não sei quantas "pitas" de 13, 14, 15 anos, mais produzidas que eu, com brutas minissaias e decotes, grandes tacões, todas maquilhadas, a cairem de bêbedas e com um cigarro na mão. Ora eu, que brinquei com as minhas Barbies até aos 12 anos e que até entrar para a faculdade só saía no Verão ou em festas especiais, não consigo deixar de ficar preocupada com estas crianças, porque sim, miúdas desta idade são ainda crianças. Um amigo meu ainda este fim-de-semana, apercebendo-se do que se passava à nossa volta me disse: "estas miúdas... se andam nesta vida aos 15 anos... aos 20 andam na droga!" Eu não sou assim tão radical... mas é triste. Os rapazes também saem, também bebem, também fazem as suas asneiras, mas tenho reparado que os miúdos hoje em dia se comportam bem melhor que as "meninas". Estas querem parecer mais velhas, querem afirmar-se de uma maneira que só lhes fica mal, querem ser outra pessoa que na realidade não são (pelo menos aos 13 ou 14 anos), e acabam a noite nos braços de um miúdo qualquer de 18 anos que no dia seguinte nem se lembra da cara delas. Por estas razões também eu, se calhar, queria pilinha.

No entanto, não posso deixar de dizer que a culpa não é só dos filhos. Os grande culpados são os paizinhos, que para não aturarem as crianças à noite ou porque simplesmente não estão para se chatear, os deixam sair e fazer tudo o que lhes apetece. É ir para festivais, é passar férias sozinhos, é sairem de casa sem avisar e só aparecerem em casa na madrugada do dia seguinte, é estarem simplesmente livres para fazerem o que entenderem. Eu não tive essa sorte (ou azar), eu tinha horários, proibições. Talvez na altura não achasse piada quando via alguns dos meus melhores amigos a irem de carro para o Porto com amigos mais velhos e eu ter que ficar em casa a ver a novela. Mas hoje quando penso nisso, só tenho é que agradecer aos meus pais, porque educar um filho não é deixar andar, não é permitir tudo e não se chatear com nada. Também é saber dizer não quando for preciso, quer se trate de pilinha quer não.

12 comentários:

sergonov disse...

Eu quero uma menina!

É verdade que as meninas hoje em dia dão muitas dores de cabeça mas são (maior parte das vezes amigas e companheiras) já os meninos quando atingem uma certa idade querem mandar em casa (cena de macho) e essa fase é muito complicada de gerir mas no fundo seja menino ou menina o que verdadeiramente quero é que tenha saúde!
Ah! E se for menina que seja linda como a mãe porque se sair ao pai, xiii coitadinha

;)

Luisa Seabra disse...

UI UI...
Kiss Me... a educação de hoje em dia tem muito que se lhe diga... e eu sou uma crítica implacável (não fosse eu doida por crianças, e querer tirar o curso de educadora para o ano q vem!).
Para mim, qualquer comportamento de uma criança nunca é condenável no que toca à criança, os únicos a ser condenados são os Pais. Sim, educar não é fácil e as influências de fora da família não ajudam, mas também nunca ninguém disse que era fácil! Criar um filho é um dos maiores desafios da vida e se não se está à altura, devia se pensar 2 vezes antes de os trazer para o mundo.
Eu espero poder ter a sorte de ter filhos um dia (quantos mais melhor!!), e se isso acontecer vou exigir de mim própria que não cometa os (tantos) erros a que tantas vezes assisto.

Quanto ao sexo... confesso que pelo menos o 1º filho eu gostaria que fosse rapaz, não por dar menos trabalho (desenganem-se... criar um filho, seja que sexo fôr, dá sempre muito trabalho), mas se fôr rapariga fiqcarei igualmente feliz!!

Lipa disse...

Pois é, isto da educação que se dá hoje em dia ás crianças é de preocupar...´E assusta-me o "amanhã"....
Beijinhos

Nina disse...

Não acho que o problema esteja na liberdade que se dá, mas sim na confiança que se cultiva...

Pedro disse...

Por mim desde q venha com saúde e seja do Benfica (uma coisa significa a outra eu sei..hehe) tá tudo bem.

kiss me disse...

Claro.. do Benfica tem q ser ;)

::lobo:: disse...

Eu já sei que primeiro vem uma cachopa e só depois o pilinhas...
Sucedeu assim com toda a gente na minha família... ;)

NaLua disse...

A culpa é exclusivamente dos pais que não se querem chatear: durante o dia a escola que trate dos filhos... à noite eles que vão para os copos e não fiquem a casa a chatear a marmita...
O professor Daniel Sampaio escreveu a este respeito um livro optimo que se chama "Inventem-se Novos Pais", aconselho a sua leitura.

Rivera disse...

Essas miudas estão mesmo a transformar-se em algo que talvez se possa chamar de "mini-putinhas" (desculpem lá a linguagem). É mesmo de dar nervos e realmente não é preciso ir muito longe, basta ir a uma qualquer discoteca ou ao hi5 ver as fotos das miudas de 15/16 anos de mamas à mostra e sei lá mais o quê! Eu tenho vergonha desta nova geração, e depois chamavam à nossa de rasca... isto deve de ser para rir!

nessy disse...

compreendo-te completamente... e adorei o teu post. Concordo ctg em tudo, especialmente que ser pai é estabelecer regras e que mais tarde os filhos compreenderão.

eu tive alturas em que rezei p que os meus pais me proibissem de sair, signifcaria que se preocupavam e que n se demitiram das suas funções de pais...

espero não ter saído mto arruínada.. mas de facto nunca gostei de discotecas, nem de me produzir em demasia e optei por namorar mto tarde... graças a conhecer os erros da minha irmã mais velha, que me serviu sempre como exemplo negativo... não tanto graças aos meus pais...

eu quero menina... talvez para reparar os erros que fizeram cmg, não sei... mas quero menina desde a minha adolescencia. (íris)

beijo grande ;)

Maria João disse...

Nós tivemos mesmo sorte com a nossa infancia/adolescencia... até para nascer é preciso ter sorte! E nisso não nos podemos mesmo queixar... temos os melhores papás do mundo!

Anónimo disse...

eu sou um rapaz de 12 anos e estou a passar pelas fasse de kuer praticar sexo mas resisto ás tentacoes e encontrar a rapariga certa